Pular para o conteúdo

Livro traz coletânea de ensaios da juventude de Camus

Autor de A peste, O estrangeiro e A queda, para citar alguns de seus mais conhecidos romances, Albert Camus, nascido na Argélia, em 1913, chegou a ser Nobel de Literatura em 1957, três anos antes de morrer. É certo que sua obra é complexa, por isso, é interessante olhar para seus escritos pregressos, do início da carreira, para entendermos melhor o que viria depois. E é isso que “Bodas em Tipasa” (Ed. Record) pode nos oferecer, além dos próprios ensaios em si: uma viagem até o jovem Camus, dos anos 1930, e sua mente de jovem escritor. Ler sua obra e ler estes ensaios é uma combinação que forma outra dimensão e outro corpo ao que já conhecemos.

Bodas, escrito entre 1936 e 1937, é um de seus primeiros trabalhos, e nele o autor já lida com questões que abordaria em toda sua obra — o absurdo e o suicídio. São quatro ensaios líricos com caráter autobiográfico. O primeiro, “Bodas em Tipasa”, texto mais famoso, se passa na cidade argelina onde, com suas ruínas romanas e o mar, “exibimos, todos, a lassidão feliz de um dia de bodas com o mundo”.

Além deste, é composto também por “O vento em Djemila”, com suas ruínas seus afloramentos rochosos, onde “reinava um silêncio pesado e compacto”; “O verão em Argel”, em que apresenta um dos grandes fundamentos de sua filosofia, pois “se há um pecado contra a vida, talvez não consista tanto em desesperar dela quanto em esperar outra vida, e se furtar à implacável grandeza desta”; e “O deserto”, sobre sua viagem à Toscana com um “deserto singular [que] só é sensível aos que são capazes de nele viver sem jamais enganar sua sede. É então, e só então, que ele se povoa das águas vivas da felicidade”.

O verão é um ensaio de Camus escrito poucos anos depois, entre 1939 e 1953. Nele o autor se debruça sobre uma viagem que parte da Argélia, do fio de Ariadne no encalço do Minotauro para evocar Orã e seus arredores, revisita o mito de Prometeu à luz da violência do mundo então e sonha com a beleza de Helena e da Grécia, que nos envolve numa viagem pelo Mediterrâneo e por seus mitos.

Bodas em Tipasa é uma reunião de textos da juventude do filósofo do absurdo, que se tornaria um dos mais importantes autores do mundo no século XX, em que ele parte da própria vida para dar início a reflexões que seriam vistas em todo seu trabalho. Em suma, um livro fundamental para se entender a obra camusiana.

BODAS EM TIPASA

Noces suivi de L’été

ALBERT CAMUS

Trad.: Sérgio Milliet

R$ 49,90 | 144  págs.Ed. Record | Grupo Editorial Record

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: