Pular para o conteúdo

Sérgio Barreto reflete sobre os desafios de viver e empreender com criação

Toda mente tem uma capacidade criativa ilimitada. Com os estímulos certos, podemos desenvolver exponencialmente esta aptidão que, como qualquer outra coisa que fazemos na vida, melhora com exercício e prática. Entretanto, para muitos, viver de criação, de processos criativos, não parece muito seguro ou promissor e, por conta disso, acabam perdendo a oportunidade de explorar outros caminhos. No livro “Vivendo de Criação – Perguntas de uma jornada” (Editora Lacre), o autor Sérgio Barreto conta histórias de sua trajetória, trazendo temas que relacionam o ato criativo com os questionamentos e dilemas de cada fase de sua vida. “Um dos dilemas mais intensos é: que escolhas e renúncias eu farei para tentar criar em quantidade com qualidade? Sim, eu digo tentar criar. A criação não é uma ciência exata, é arte, e isso envolve muito de dedicação e de método, mas também algo de sorte e loucura”, ressalta o autor. 

A ideia de escrever a obra veio a partir de uma conversa entre amigos, quando Sérgio foi indagado sobre como dá conta de se envolver em tantos projetos, criar seus quatro filhos adotivos sozinho e ainda manter a sua vida de maneira sustentável, e com qualidade, vivendo de arte num país como o Brasil, que não dá o devido valor à cultura. Ao se questionar sobre o assunto, o autor chegou à conclusão de que não possuía uma “receita de sucesso”, tudo o que ele tinha eram os questionamentos, as perguntas que foram relevantes em sua vida e que o encaminharam a ser o artista bem-sucedido que é hoje. Daí surgiu o impulso de escrever o livro e compartilhar as perguntas que fizeram um homem negro e homossexual conseguir viver de arte e ter a criação como estilo de vida. 

– As perguntas são o propósito do livro. Em um dado momento, eu estava escrevendo uma das frases do livro em que falo que a vida pode ser só um evento biológico, do nascimento à morte, ou ela pode ser uma obra de arte, mas para isso você vai ter que dar significado aos momentos da sua vida, e esse significado vem através das perguntas que você faz e as respostas que você dá para cada momento, essa passagem de um segundo para o outro, ou o legado que você deixa para as pessoas à sua volta – comenta. 

Para o autor, que há 30 anos tem a arte como ofício, a parte mais importante da vida são os encontros. Aqueles que deixam marcas na vida do artista e abrem novos horizontes para criar, que geram os questionamentos que levam alguém a encontrar o seu caminho como artista. Um destes encontros marcantes na vida de Sérgio foi conhecer Flávio Augusto da Silva, também escritor e fundador da rede Wise Up, com quem trabalhou por muitos anos e criou uma forte amizade. “O Sérgio é uma pessoa de uma mente brilhante, mas que não gosta de ser descrito desta forma. ‘Vivendo de Criação’ é um título justo para este livro. Criar é algo que ele faz com uma contínua paixão”, declara Flávio. 

Esse e outros assuntos, como ócio criativo, ecossistema criativo, pesquisa, voz e emoção criativa, são abordados por Sérgio Barreto em uma leitura leve, com caráter confessional e numa linguagem que busca aproximar o leitor das experiências do autor. A narrativa do livro foi construída de forma cronológica, de 1970 a 2020, e traz um pouco do panorama de como se vivia em cada época, além de muitas reflexões filosóficas sobre como criar é um evento típico e natural, uma singularidade do ser humano. 

– Criar como profissão exigia que eu soubesse trafegar entre uma extrema tristeza e uma alegria ensolarada sem perder o rumo, sabendo que a jornada era uma história em si e que precisava ter equilíbrio para produzir tanto na melancolia quanto na euforia. Esse aspecto criativo gera uma voz à sua volta em que você é responsável por ela. Então, as reflexões sobre o processo criativo e as responsabilidades da sua voz criativa são os principais pontos do livro – finaliza o autor Sérgio Barreto.

O livro, de 128 páginas, custa R$ 44,00 e pode ser adquirido em todas as livrarias do Brasil, ou também, através do site da Editora Lacre, no link: https://editoralacre.com.br/produto/vivendo-de-criacao-perguntas-de-uma-jornada/

Um artista de multifacetado 

Sérgio Barreto tem 51 anos, é pai de 4 filhos adotivos e dono de um currículo invejável. Formado em Direção Teatral pela Unirio, o escritor dignifica como a parte mais importante da sua formação, a criação experienciada pelos corredores e palcos da universidade. Além disso, Sérgio iniciou os cursos de Jornalismo na UFRJ e Psicologia na UERJ e, mesmo que não tenha concluído as graduações, criou em si espaço para as palavras e as emoções. Mestrado em História das Ideias pela PUC-RJ e pela NYU, nunca seguiu a carreira de professor, entretanto firmou em si a paixão pela pesquisa. Foi Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Wiser Educação (WiseUP) por 24 anos, criando espaços criativos e colaborativos através de coleções educacionais, que o levou também ao caminho do trabalho social com a New School, uma start-up social que gera experiências e reflexões para jovens de comunidades periféricas de todo o Brasil. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: