Pular para o conteúdo

‘Ópera na Tela’ já está nos cinemas de várias cidades

Dezenove cidades já estão confirmadas para receber o Festival Ópera na Tela 2019 e, em algumas delas, a exibição nos cinemas já começou. O público de Aracaju (SE), Belém (PA), Botucatu (SP), Brasília (DF), Cotia (SP), Curitiba (PR), Florianópolis (PR), Jundiaí (SP), Londrina (PR), Maceió (AL), Maringá (PR), Palmas (TO), Pelotas (RS), Petrópolis (RJ), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), Santos (SP) e São Paulo (SP) vai poder conferir nas telonas o que os paulistanos viram – foram dez dias no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, onde foi realizado pela primeira vez – e ainda durante as projeções no Parque Lage, no Rio, pela quinta vez – o evento termina dia 12 de novembro. A ‘turnê’ pelo Brasil exibirá ao longo de 2019/2020, 12 récitas inéditas da temporada recente europeia. A programação atualizada de cada local está disponível no site http://operanatela.com/2019/programacao/cidades/ . Os ingressos podem ser adquiridos nas bilheterias ou site dos cinemas de cada cidade e seus valores são os praticados por cada rede de exibição.

Nas montagens escolhidas para essa edição, nomes célebres da ópera se destacam como o barítono brasileiro Paulo Szot (A Viúva Alegre), a soprano russa Anna Netrebko (O Trovador), o tenor peruano Juan Diego Flórez (Orfeu e Eurídice), a soprano búlgara Sonya Yoncheva (A coroação de Popeia), a soprano uruguaia Maria José Siri (Manon Lescaut) e o baixo-barítono russo Ildar Abdrazakov (Attila).

O compositor Giuseppe Verdi é um dos grandes homenageados desse ano, com a exibição de cinco de suas mais famosas composições de ópera. Destaque para a “A Traviata”, apresentação que marca a estreia do diretor Simon Stone – um dos mais notáveis no teatro hoje – na Ópera Nacional de Paris. Já “Falstaff”, a última ópera de Verdi, é regida pelo maestro Daniel Barenboim, um dos mais proeminentes músicos do fim do século XX e início do XXI. “Attila”, que abriu a temporada lírica do Scala de Milão 2018/2019, um dos mais importantes e prestigiados teatro de ópera do mundo, traz  IIdar Abdrazakov, o baixo mais famoso do momento. Outro destaque é para “O Trovador”, drama em quatro atos com a soprano superestrela Anna Netrebko, no papel de Leonora, cantando pela primeira vez diante dos 20 mil espectadores da Arena de Verona numa última encenação monumental de Zeffirelli, falecido em junho de 2019. E “Rigoletto”, outra obra muito popular encenada no deslumbrante palco flutuante do Festival de Bregenz, com uma engenharia espetacular.

O Ópera na Tela traz ainda obras de Mozart (“Don Giovanni”, da Ópera de Paris); de Glück (“Orfeu e Eurídice”, da Ópera de Milão, com o famoso tenor peruano Juan Diego Floréz); de Offenbach (“Os Contos de Hoffmann”, da Ópera Nacional Holandesa); de Lehár (“A Viúva Alegre”, da Ópera de Paris, com a presença do barítono brasileiro Paulo Szot no papel masculino principal); de Monteverdi (“A Coroação de Popeia”, do Festival de Salzburgo, com a diva búlgara Sonia Yoncheva); de Wagner(“Lohengrin”, do Festival de Bayreuth na Alemanha) e de Puccini (“Manon Lescaut”, do Teatro de Milão).

Em sua quinta edição, o Festival Ópera na Tela exibe 12 óperas europeia inéditas e recentes em uma tenda montada ao ar livre no Parque Lage, com telão, espreguiçadeiras e som de última geração até o dia 12 de novembro. Em São Paulo, pela primeira vez, a tela gigante foi montada no Museu da Casa Brasileira com projeções entre 18 e 27 de outubro. A seleção de peças líricas entra em diversas cidades brasileiras até meados de 2020. A programação completa está no site www.operanatela.com.br

O Festival Ópera na Tela tem produção da Bonfilm– responsável também pelo Festival Varilux de Cinema Francês – e da Atti Comunicação, e conta com patrocínio master da Leroy Merlin, de Sofitel Hotels & Resorts, Ministério da Cidadania, Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Prefeitura do Rio de Janeiro, Secretaria Especial da Cultura, Governo do Estado do Rio de Janeiro, Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa, Lei de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro e Secretaria Municipal de Cultura, Lei Municipal de Incentivo à Cultura – Lei do ISS. E com o patrocínio da EDF e de EDENRED TICKET.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: