Pular para o conteúdo

Tertulina Alves encena seu Sertão Sem Fim em temporada online gratuita

A atriz Tertulina Alves fez extensa pesquisa no interior da Bahia, em Macaúbas, para se aprofundar num tema que já fazia parte de sua história, mas que merecia, agora, um olhar artístico.  Sertão Sem Fim nasce da colheita de diálogos de Tertulina com mulheres macaubenses, num alinhavo de trajetórias pessoais e únicas, mas também universais. Dessa amálgama, veio a poética dramatúrgica da peça Sertão Sem Fim, que faz nova temporada online, no período de 30 de abril a 30 de maio, às sextas e sábados, às 21h e aos domingos, às 19h, nas redes sociais dos teatros Paulo Eiró, João Caetano, Cacilda Becker, Alfredo Mesquita e Arthur Azevedo, gratuita. Este projeto foi contemplado pela 10ª Edição do Prêmio Zé Renato.

Em 2018, a atriz Tertulina Alves retornou à Macaúbas, interior da Bahia, onde passou parte de sua infância, para colher diálogos com mulheres da região que foram unidos à história da própria Tertulina e se transformaram na peça Sertão Sem Fim.

Em cena, Tertulina interpreta Bastia, personagem que traz em seu corpo essas diferentes formas de se viver o sertão. As mulheres mais presentes na construção da personagem são a avó de Tertulina, Maria Tertulina, que nasceu no sertão da Bahia, na região de Três Outeiros de Macaúbas e migrou para São Paulo; Maria Izabel, moradora da comunidade de Três Outeiros de Macaúbas e conhecida até hoje, com mais de 80 anos, como a Rainha das Cavalgadas; e da própria Tertulina Alves, cuja infância no sertão foi marcada por um período de forte seca.

A história de Bastia é marcada por uma imensa tragédia pessoal: seu marido, o vaqueiro Dão Sálvio, foi covardemente assassinado por fazendeiros da região. O motivo da morte de Dão Sálvio era a prosperidade do casal, que trabalhou duramente durante o período de estiagem e conseguiu adquirir um rebanho de sessenta cabeças de gado. Montada em um cavalo, ela percorre a cidade com o corpo morto do marido, em busca de justiça.

“No Sudeste ainda há um imaginário sobre o sertão que o remete quase sempre à seca. Em Sertão Sem Fim buscamos pensar em outras possibilidades de retratar esse espaço. A Maria Izabel, por exemplo, é uma mulher que foi arrimo de família desde os 10 anos, tendo de trabalhar longe de casa, em espaços onde chovia com mais frequência, para que pudesse trazer sustento para a família”, conta a atriz.

SERVIÇO

SERTÃO SEM FIM

De 30 de abril a 30 de maio de 2021. Sextas-feiras e sábados, às 21h e domingos, 19h

Grátis | Duração: 45 min. | Classificação: Livre

Local: nas redes sociais dos teatros

30 de abril, 01 e 02 de maio – Teatro Paulo Eiró
07, 08 e 09 de maio – Teatro João Caetano
14, 15 e 16 de maio – Teatro Cacilda Becker
21, 22 e 23 de maio – Teatro Alfredo Mesquita
28, 29 e 30 de maio – Teatro Arthur Azevedo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: