Pular para o conteúdo

Eu Já Estive Em “Eu Não Sei Quem Você É”, de Penny Hancock

Gente, é muito difícil falar sobre esse livro sem deixar escapar um spoiler e gostaria muito que os próximos leitores tivessem as mesmas impressões, dúvidas e sentimentos que eu tive ao ler essa obra. “Eu não sei quem você é” fala sobre uma temática extremamente sensível. Uma acusação de estupro coloque em questão uma amizade de anos.

Sobre a sinopse, apesar das personalidades diferentes, Jules e Holly são melhores amigas desde os tempos da faculdade. Holly é professora de escrita criativa e gosta de ficar em casa. Jules é empresária e adora festas.

Elas compartilham tudo. Holly é a única que sabe sobre o caso extraconjugal de Jules, que apoiou Holly quando perdeu o marido subitamente.

Saul, o filho introspectivo de Holly e Saffie, a filha rebelde de Jules, cresceram juntos e têm apenas três anos de diferença.

Aí depois das apresentações, uma denúncia de estupro acontece e toda amizade seja entre Jules e Holly ou entre Saffie e Saul é colocada a prova.

Teoricamente o livro tem um final feliz, mas aí entra a reflexão de quanto a vida pode voltar ao normal depois de sofrer um estupro ou depois de ser acusado de estupro. Será que as pessoas conseguem voltar a ser felizes depois de episódios como esse?

Gostei demais da forma como a trama foi escrita. Os capítulos são divididos contando a história pela visão da Holly e da Jules, ou seja, capitulo a capitulo você consegue entender o que se passa na cabeça de cada uma delas sobre a situação, o que é bom ou é ruim, já que algumas vezes você fica pensando “gente não é isso que ela está querendo dizer”, mas aí já foi. É como se fosse a terceira amiga vendo as outras duas amigas tomarem as mais diferentes atitudes. E o mais difícil, em quem você deve acreditar: na sua melhor amiga, ou no seu filho/filha?

Além de pensar muito sobre o quanto é difícil estar em ambos os lados de uma situação que envolve um estupro, uma das características de Holly me chamou muito a atenção, justamente por ser algo com o que eu me identifico: ser dura demais com as pessoas que a decepcionam. A personagem tem essa característica e é apontada algumas vezes justamente por se sentir decepcionada com a amiga por ela não ter respondido a algo da forma como ela esperava, ou da forma que ela julga correto. E gente, como é difícil deixar isso de lado.

A autora, Penny Hancock é escritora e jornalista, escreveu outras três obras e diversos contos publicados no The Guardian, The Times e The Independent. “Eu não sei quem você é”, tem 413 páginas, é o terceiro livro do ano apresentado pela Tag Livros Inéditos e foi publicado em parceria com a editora Dublinense.

Janaína Leme

@eujaestiveem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: