Pular para o conteúdo

Eu Já Estive Em “Jagunço – Entre Homicídios e Corotes”, de Audi Soares

Descobrir autores nacionais é algo incrível, mas dessa vez foi o autor que me descobriu e me mandou o livro para conhecer o seu trabalho. E, que demais!

Jagunço – Entre Homicídios e Corotes é um livro extremamente bem escrito e bem humorado. Quando comecei ler, me lembrou muito um filme divertidíssimo chamado Cabras da Peste, disponível na Netflix. Tanto Jagunço, personagem principal do livro, quanto Bruceuillis, personagem principal do filme (interpretado por Edmilson Filho), possuem características peculiares.

Mas, vamos ao livro! Jagunço, também chamado de Antigão por sua idade e mentalidade, mora em Aracaju e é policial. Tem Fontes como desafeto dentro do Distrito e Matias como braço direito. Toma café sem açúcar porque já tem seu colesterol bem alto, mas não dispensa um corote de tutifruti, torce para o Clube Sportivo Sergipe, entre mais curiosidades que o leitor vai se deparar ao longo do livro.

O enredo gira em torno de um homicídio que Jagunço terá que desvendar. Para isso, usa todo seu conhecimento de quem trabalha na polícia há anos somado ao seu chame com as mulheres. Na verdade, até tem conhecimento, mas sua cabeça dura ganha, e, seu chame com mulheres, realmente não existe. Mesmo porque ele já se conformou em morar na companhia do Louro que sempre quer biscoito.

Obviamente não vou contar se Jagunço conseguiu desvendar o crime justamente para que você se empolgue em ler Jagunço – Entre Homicídios e Corotes também. É um livro curto, de cerca de 100 páginas e você pode comprá-lo diretamente com o autor, Audi Soares (@audisoares). Audi é aracajuano, assim como Jagunço, e funcionário público. Sempre foi apaixonado por ficções policiais e pelo chamado ‘humor ácido’, algo que encaixa muito bem nessa obra. 

Sinopse: livro policial voltado para o humor. Jagunço é um antigão da Polícia Civil do Sergipe. Com idade para se aposentar, anda sempre carrancudo por conta das pensões e por ficar encostado nos plantões da delegacia. Nesta primeira história, nosso Jagunço precisa desvendar um homicídio, enquanto enfrenta os desafios diários de ser velho, barrigudo e safado, Isso, claro, sem deixar de lado sua paixão pelo Corote.

Opa! Se é ‘nesta primeira história’ é sinal que haverá mais! Vamos torcer para que sim!

Janaína Leme

@eujaestiveem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: