Pular para o conteúdo

Avis Rara lança relato emocionante de sobrevivente dos campos de concentração soviéticos

 “Eu conto a minha própria história porque acredito que apenas dessa maneira poderei cumprir a obrigação moral que um destino generoso me impôs quando me ajudou a escapar do terror soviético – o dever de falar por aqueles cujas vozes não podem ser ouvidas. Em silêncio eles são enviados aos campos de concentração na condição de prisioneiros; em silêncio eles são torturados e mortos por balas soviéticas” – Vladmir V. Tchernavin

A vida de Tchernavin — um simples engenheiro sem ativismo político adversário — é revirada de uma hora para outra. A narrativa da chegada de oficiais a sua casa ao envio para um Gulag, sem provas de crimes, parece obra de ficção, mas não são. Seu relato nos permite conhecer as histórias em primeira pessoa, ouvir o testemunho de quem vivenciou o terror e vislumbrar, ao lado das vítimas, a miséria humanitária e espiritual a que o socialismo as condenou. E que conseguiu fugir, para contar a história daqueles que não tiveram a mesma sorte…

O selo Avis Rara lança este mês “Nos campos de concentração Soviéticos”, um relato emocionante e visceral de um homem comum que foi torturado em seu próprio país, nos Gulags, os campos de trabalhos forçados que eram verdadeiros matadouros de seres humanos.

Gulag é um acrônimo, em russo, para Administração Central dos Campos. Tratava-se de campos de prisioneiros onde os detentos eram punidos com trabalhos forçados, torturas físicas e psicológicas. E em sua maioria os presos eram pessoas que se opunham ao Regime Soviético. Mas esse não era o caso do engenheiro e especialista em pesca Vladmir V. Tchernavin.

Tchernavin morava em Murmansk, quando o governo exigiu um aumento expressivo da produção de pescados para atender à demanda da população. Sem alcançar o número, foi acusado de boicotar o plano soviético e enviado para dois Gulags.

O socialismo soviético instaurou campos de trabalhos forçados, os chamados Gulags, com motivações e características muito distintas de outros regimes autoritários e que ainda são pouco estudados. Os documentos históricos mais importantes são narrativas de quem esteve lá, que foram registrados em momentos de fuga após a libertação ou escritos durante o cárcere, e transmitem todo o clima daquele momento.

E só assim é possível compreender as estratégias de sobrevivência, as técnicas para manutenção da sanidade, os resquícios de solidariedade e senso de humor daqueles que se mantinham humanos em meio ao inferno da utopia.

Vladimir V. Tchernavin apresenta-nos essa realidade com maestria. A sua escrita corre como um filme: com aventura, suspense e análises de excepcional clareza, como numa mistura de documentário e thriller em que logo nos vemos ao lado do protagonista, sofrendo com ele e torcendo pelo sucesso de seus planos de fuga.

“Após dias de caminhada, eles chegaram à Finlândia e imigraram para a Inglaterra. Eu conto a minha própria história porque acredito que apenas dessa maneira poderei cumprir a obrigação moral que um destino generoso me impôs quando me ajudou a escapar do terror soviético – o dever de falar por aqueles cujas vozes não podem ser ouvidas. Em silêncio, eles são enviados aos campos de concentração na condição de prisioneiros; em silêncio, eles são torturados e mortos. […]”

Este relato é uma aventura épica de sobrevivência ao socialismo; mas é também uma declaração de amor à liberdade, um testemunho de quem decidiu lutar e manter as esperanças mesmo em meio à violência mais cruel, ao mais tirânico dos regimes, à mais injusta das circunstâncias.

Ficha Técnica

Título:  Nos campos de concentração Soviéticos

Nº de páginas: 352

Preço: R$69,90 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: