Pular para o conteúdo

Obra “Miscellanea: Escritos diversos” apresenta estudos de grandes pioneiros da psicologia analítica junguiana no Brasil 

A PAULUS Editora lança a obra “Miscellanea: Escritos diversos”, de autoria de dois grandes pioneiros da psicologia analítica junguiana no Brasil – Léon e Jette Bonaventure (ambos em memória). Neste livro, da coleção “Amor e Psique”, os autores apresentam uma coleção de textos, palestras e artigos que permeiam décadas de sua atuação na área da psicologia analítica, tanto no meio acadêmico quanto na clínica. Os textos apresentados são uma homenagem a Jette Bonaventure (1938-2018), a pequena menina dinamarquesa brasileira. Ao passo que esta obra, também se torna uma homenagem ao seu idealizador Léon Bonaventure que realizou sua páscoa em novembro deste ano.

Na obra “Miscellanea” são abordados diversos temas que giram em torno do fazer do psicoterapeuta junguiano e dos conceitos principais da teoria. Léon e Jette Bonaventure são os responsáveis pela difusão dos conceitos e principais conhecimentos do psiquiatra e psicoterapeuta suíço Carl Gustav Jung, grande fundador da psicologia analítica, área que estuda a importância da psique individual e a busca pela totalidade.

Os autores fizeram história ao cuidar da publicação completa de Jung em terras brasileiras, incansáveis incentivadores, tradutores e pesquisadores da obra de Jung, promovendo grupos de estudos, escrevendo artigos, atendendo em consultório, além de colocar Jung no universo editorial brasileiro. O resultado de seus esforços para organizar e traduzir os escritos de Jung podem ser acompanhados nos mais de cem títulos da coleção da PAULUS “Amor e Psique”, desde 1984, com a publicação da obra “Uma busca interior pela em psicologia e religião”, de James Hillman.

De acordo com a apresentação da psicóloga e Doutora Maria Elci Spaccaquerche, a obra “Miscellanea” congrega escritos tanto de Jette como Léon. Tratam-se de escritos de muitos anos – antigos e novos. Segundo ela, em tempos que se misturam, assim como os espaços geográficos de Zurique, cidade suíça a São Paulo. Nos presentes escritos, estilos e pensamentos se mesclam em suas autorias.

Segundo a obra, Léon reconhece e sinaliza a própria maturidade em suas reflexões. Para Maria Elci, em toda a vida de Léon esteve presente a estrutura que o define como um homem cristão, que sempre buscou aproximar a psicologia analítica dos fundamentos do cristianismo, onde na visão dele, os analistas na podem ser como os antigos mestres espirituais.

“Entre as reflexões presentes nesta obra, seguem em evidência os temas: “A importância dos contos e das lendas na psicologia analítica”; “A formação de analistas junguianos”; “Ser terapeuta”; Aspectos psicológicos do ciclo menstrual da mulher”; “Sobre a psicologia do aborto”; Reflexões sobre o tema do aborto: seis histórias na história de um psicoterapeuta”; “Feliz depressão: experiências da clínica e da vida como psicoterapeuta”; “Psicologia –  a ciência da alma”; “ Só a alma para perceber a alma”; “A contribuição da psicologia analítica para uma psicologia cristã”; “Deus está morto”; “Nise da Silveira: bandeirante do desconhecido mundo interior”; “Reflexões sobre a individuação” e “ As conferências de Tavistock.

Neste livro, estão textos nos quais, é possível encontrar um entrelaçador do humano e do divino. Os textos apresentados permeiam décadas da história da psicologia no Brasil, transbordam em dedicação e alma.

Sobre os autores:

Léon Bonaventure (1934-2021) – Doutor em Psicologia, formado pela École Pratique des Hautes Études de Paris e pelo Instituto de Filosofia e Psicologia de Louvain, frequentou o Instituto C. G Jung de Zurique. Léon, “o menino da guerra”, como ele mesmo gostava de se intitular, tornou-se membro da Sociedade Internacional de Psicologia Analítica e fez doutorado na Universidade de Sorbonne, em Paris. Nos seus aos de doutorado, conheceu Jette (Ronning), uma jovem dinamarquesa formada em Filosofia Romântica pela Universidade de Copenhague e Psicologia pela Sorbonne, onde foi assistente de Jean Piaget. Casaram-se e em 1967 vieram para o Brasil, onde passaram a difundir os conhecimentos de Jung.

Jette Bonaventure – considerada uma das pioneiras da Psicologia Analítica no Brasil, faleceu em 22 de maio de 2018 aos 80 anos. A autora, dinamarquesa, veio para o Brasil em 1967 cuidar da cadeira de psicologia do desenvolvimento. Já havia se formado em filologia romântica pela Universidade de Copenhague e em Psicologia pela Sorbonne, onde estudou com Piaget. Casou-se com Léon Bonaventure, que iniciou sua carreira profissional como analista Junguiano, em São Paulo. Ele foi um grande divulgador da psicologia analítica e responsável, juntamente com Jette Bonaventura, pela tradução das obras de C.G. Jung  para o português.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: